Um dos maiores desafios para quem estuda é memorizar os conteúdos.

Seja para passar em concursos públicos, Enem, vestibular ou mesmo provas da escola, dificilmente um estudante consegue memorizar todo conteúdo – o que impacta negativamente no seu desempenho nos exames.

O grande volume de conteúdos e disciplinas é um dos fatores que dificulta a memorização.

Distração, falta de organização e hábitos equivocados de estudo também atrapalham memorizar todo o conteúdo.

Porém, com algumas dicas e técnicas de memorização é possível melhorar essa habilidade e se sair [muito] melhor em provas e exames.

Quem comprova isso é Renato Alves – um expert em técnicas de memorização, que desenvolveu o “Guia de Memorização” para estudantes.

A seguir você confere algumas dicas para turbinar os seus estudos e aumentar o seu rendimento.

Esse post é mais um da série de dicas e estratégias que irei disponibilizar aqui no Portal, a Série Guia do Estudante!

Aumente o seu rendimento nos estudos com técnicas simples, mas que ajudarão você a memorizar tudo o que precisa!

O Grande Segredo para Ter uma Memória Blindada a Prova de Falhas

Pense nisso como a regra “Use isso ou Perca sua Vantagem”.

Quando você se envolve ativamente em maneiras de facilitar a lembrança de informações, seu cérebro se torna melhor nisso.

Isso significa que ninguém é esquecido por natureza.

É uma habilidade que pode ser aprendida e não é uma ciência de foguetes.

Uma coisa importante a entender ao escolher técnicas de memorização é como o nosso cérebro processa e armazena a memória.

Nossos cérebros favorecem informações que são vivas, ativas, coloridas, vívidas e envolventes.

Os meios que precisamos para tornar as informações que queremos lembrar são interessantes para nossos cérebros.

A chave para melhorar em qualquer técnica de memória é encontrar uma que funcione para você em particular e estabelecer metas para seu treinamento.

Aqui estão algumas das técnicas mais utilizadas que podem fazer exatamente isso e ajudá-lo com tudo, desde memorizar um discurso até lembrar nomes de novas pessoas que você conhece.

1. A Técnica Loci

Este método, originalmente acreditado para ter sido desenvolvido na Grécia Antiga há cerca de 2.500 anos atrás, tem muitos nomes.

Popularmente conhecido como “O Palácio da Memória”, esta técnica tem sido destaque em muitos filmes (pense na adaptação moderna de Sherlock Holmes) e programas de TV como um exercício de memória de escolha para os heróis e vilões especialmente talentosos.

Mas a verdade é que a Técnica Loci é muito mais acessível para a pessoa média do que a maioria das pessoas pensa.

Um estudo publicado pela The American Physiological Society mostrou que 92,9% dos estudantes que participaram do estudo experimentaram uma melhoria no recall de informações após apenas três sessões de 60 minutos de treinamento no Método Loci.

Os estudantes vieram de várias áreas de estudo, e melhores resultados foram reivindicados para serem alcançados com um treinamento mais longo.

A premissa desse método é simples.

Você tem que tentar associar cada item que você está tentando lembrar com uma imagem específica e um lugar.

Você pode usar os cômodos da sua casa e imaginar os itens espalhados pelos cômodos que parecem mais naturais para você.

Ou você pode escolher um café que você visita com freqüência.

O lugar não importa, desde que tenha um significado pessoal para você.

Isso é importante para que seu cérebro categorize os itens que você está tentando lembrar como “interessantes”.

Essa técnica é útil principalmente para lembrar informações que não precisam ser processadas, apenas recuperadas.

Isso significa que essa técnica é mais adequada para lembrar coisas como listas, aniversários, nomes e rostos.

2. Mnemônicos

Todos nós encontramos mnemônicos quando crianças.

Seja para aprender a ordem dos planetas ou o número de dias em cada mês, foram-nos apresentados acrônimos, música ou rima para lembrar e recuperar informações.

Outro mnemônico popular são sentenças memoráveis ​​que são construídas com palavras que começam com a mesma letra que os itens que você está tentando memorizar.

Embora a maioria dos mnemônicos possa ser um pouco difícil de lembrar, uma vez que você o fizer, ele será preservado em sua mente por um longo tempo.

Um estudo realizado na Universidade da Flórida em 2017, com o objetivo de avaliar a eficácia da mnemônica, mostrou que 71,2% dos estudantes acharam essas técnicas úteis para lembrar e depois entender melhor o material.

A mnemônica musical provou ser a mais útil para lembrar o conteúdo acadêmico, bem como a retenção das informações por um período maior de tempo.

3. A Técnica de Contar Histórias

Nossos cérebros adoram histórias.

Tanto é assim que uma boa narrativa baseada no caráter pode causar a liberação de ocitocina, um hormônio que aumenta a empatia nas pessoas.

As histórias englobam todas as qualidades de informação que fazem o nosso cérebro amar e lembrá-lo: imagens vívidas e coloridas e envolventes enredos sobre outros seres que estão vivos.

A indústria da publicidade percebeu esse fato há algum tempo, mas você, como indivíduo, também pode se beneficiar desse aspecto do seu cérebro para se lembrar de coisas de que precisa.

Essa estratégia de memória é bem fácil.

Ao criar imagens diferentes que incluem itens que você precisa memorizar e conectá-los em sequência, você cria uma história que seu cérebro pode seguir.

A narrativa exata tem pouca importância.

Tal como acontece com o método loci, é benéfico criar uma história com elementos que lhe interessam.

Além disso, pode ser qualquer coisa de seu gato sentado em cima de coisas que você está tentando lembrar ou James Bond pegando itens em sua lista de compras enquanto ele está fugindo de vilões.

4. Agrupamento

A técnica de agrupamento é toda sobre o agrupamento de itens para lembrá-los mais facilmente.

A maioria das pessoas se depara com essas técnicas quando está tentando aprender como memorizar números de telefone, IDs de seguridade social ou números de contas bancárias, mas essa técnica também pode ser usada para outros tipos de informações.

O aspecto chave que faz essa técnica funcionar é agrupar coisas com base na codificação semântica, o que significa que as coisas são colocadas em grupos de acordo com o contexto ou padrão.

Isso pode significar coisas diferentes para pessoas diferentes.

Alguns podem agrupar sua lista de compras após o alfabeto, outros por tipo de comida.

A maneira de conseguir implementar as técnicas de agrupamento é descobrir quais padrões são mais naturais para você e continuar com ela.

Essa deve ser uma tarefa relativamente fácil para a maioria de nós.

Afinal, encontrar padrões significativos na vida é parte da experiência humana, e nosso cérebro está preparado para isso.

5. A técnica de construção

Esta é uma técnica que pode ser construída sobre as técnicas mencionadas acima, e pode realmente ajudá-lo a expandir muito além da simples lembrança de fatos, nomes e números de telefone.

Embora relembrar fatos possa ser útil, em um ambiente profissional, nada supera o conhecimento profundo e a compreensão profunda de seu campo.

Isso, no entanto, não pode ser alcançado por uma mera recordação das coisas.

Um fato ou um conceito que é entendido tem uma chance muito maior de ficar na memória do que algo que você acabou de memorizar.

Uma vez que você introduza um senso de compreensão e significado para as coisas que você está tentando lembrar, você pode tanto lembrar melhor as coisas quanto aplicá-las em diferentes contextos.

A técnica de construção é mais útil quando você precisa se lembrar de conceitos ou fatos maiores e mais complexos.

Seu principal elemento-chave deste método é relacionar fatos e conceitos entre si, a fim de ajudá-lo a compreendê-los melhor.

6. Repetição

Você pode achar bobo que nós colocamos este na lista, mas, embora a maioria das pessoas saiba que “a repetição é a chave”, poucos realmente a praticam.

Ed Cooke, campeão de torneios de memória e co-fundador do aplicativo de idiomas Memrise, lançou um experimento on-line que desafiou muitos especialistas no campo da memória a encontrar as melhores maneiras de memorizar as coisas mais rapidamente.

Repetição saiu como o número 2 na lista.

Com conceitos e palavras simples, você pode ter que repeti-los até 30 vezes antes de colocá-los para sempre.

Coisas maiores, como discursos ou apresentações de trabalhos, podem exigir mais repetições.

A menos que esteja tentando memorizar fatos ou palavras específicas, tente entender a essência do que você está tentando memorizar para evitar erros e soluços se esquecer palavras ou misturar a ordem dos seus pontos.

7. Mapas Mentais

Os mapas mentais são mais conhecidos por seu benefício em aumentar o pensamento criativo, mas podem ser usados ​​para aprender novas informações ou simplesmente organizá-las de uma maneira mais coerente.

Um mapa mental tem elementos da técnica dos locus e da técnica de construção, mas é uma maneira muito mais tangível de organizar um assunto grande e complexo em categorias visuais distintas.

Ele é melhor para quebrar textos mais longos ou vários documentos.

Se você é novo em seu trabalho, pode, por exemplo, usar essa técnica para entender melhor os produtos e serviços que sua empresa oferece, ou até mesmo desenvolver suas próprias técnicas de vendas ou marketing.

Há vários softwares on-line onde você pode construir seu mapa mental, mas ferramentas elaboradas não são uma necessidade para esse método.

Tudo o que você precisa essencialmente é um pedaço de papel e uma caneta.

Comece colocando o tópico central ou a ideia que você está tentando lembrar no papel, de preferência expressa por uma ou duas palavras.

Prossiga ligando-o a sub-tópicos com linhas simples, uma vez que se relacionam entre si.

Quanto mais longe do tópico principal você estiver, mais detalhadamente sobre o tópico que você recebe.

8. Melhorias no estilo de vida

Melhorar o seu estilo de vida pode não dar-lhe um impulso noturno na memória, mas certamente terá efeitos positivos a longo prazo que podem tornar todas as técnicas acima mencionadas ainda mais eficazes.

As melhorias no estilo de vida que podem ter um efeito positivo na sua memória podem ser amplamente divididas em três áreas: sono, dieta e exercício.
O exercício físico protege e melhora a memória e as habilidades de aprendizado.

Em um estudo feito na Harvard Medical School, os participantes caminharam rapidamente por uma hora, duas vezes por semana durante 6 meses.

Esse tipo de exercício levou a um aumento no tamanho do hipocampo, na área do cérebro envolvida na memória verbal e no aprendizado.

O estudo apontou que era importante se envolver em exercícios que eram desafiadores o suficiente para elevar seu pulso.

Isso é importante para aumentar o fluxo de sangue para o cérebro responsável pelo transporte de oxigênio para o cérebro.

Estar dormente também é importante para uma melhor memória.

Outro estudo feito por pesquisas em Boston e na Alemanha mostrou como a privação do sono afeta a capacidade das pessoas de realizar tarefas simples, como reconhecimento facial e evocação de nomes.

O grupo que foi mantido acordado teve um desempenho significativamente ruim comparado ao grupo que teve um sono de 8 horas antes de realizar as tarefas.

Muito do sono ainda não foi descoberto pela comunidade científica moderna, mas uma coisa é clara: nosso cérebro “reinicia” quando dormimos.

Durante a noite, o cérebro parece eliminar qualquer neurônio da atividade que realiza durante o dia, proporcionando-nos a sensação de estar descansado e descansado pela manhã.

Dieta é outro aspecto da sua vida que pode ter efeito positivo ou negativo em sua memória.

O fato de que o que comemos tem um impacto global sobre a nossa saúde é algo que muitos de nós sabemos, mas os efeitos que uma dieta pobre tem além da cintura ainda não são um conhecimento generalizado.

Colesterol, que tem sido nomeado o principal motivo para doenças cardíacas, também pode se acumular em seu cérebro e restringir o fluxo sanguíneo e, portanto, o suprimento de oxigênio.

Recentemente, pesquisadores também descobriram o quanto o intestino está conectado ao cérebro.

Um estômago problemático pode enviar sinais ao cérebro que interrompem sua função normal e vice-versa.

Outras Técnicas de Memorização que Podem Ajudar seu Rendimento

1. Associar a memória a objetos

Uma boa maneira de memorizar conteúdos é associar a ideia a um objeto concreto.

Por exemplo, você pode associar uma fórmula matemática a uma cadeira.

Assim, ao olhar para a cadeira terá mais chances de se lembrar da fórmula.

Pode parecer uma técnica tola, mas ela funciona mesmo!

2. Menos repetições, mais memorização

Para memorizar um conteúdo é preciso compreendê-lo e não apenas decorá-lo, sendo esse um verdadeiro segredo de quem domina as técnicas de memorização.

Se você só decorar um assunto, qualquer mudança no contexto fará com que você não se lembre dele.

Procure, então, contextualizar uma fórmula, por exemplo, com fatos que podem acontecer no seu dia a dia.

Dessa maneira, você não decorou o conteúdo, mas sim, o entendeu – ficando mais fácil lembrar-se dele quando for necessário.

3. Desenhos

Desenhe ou rabisque enquanto escuta explicações sobre as disciplinas estudadas. Isso ajuda na memorização – é o que comprovou uma pesquisa feita em 2009.

Neste estudo, estudantes que desenhavam ou rabiscavam o papel enquanto ouviam uma listagem de nomes lembraram mais das palavras do que aqueles que apenas escutavam.

Então, providencie um rascunho e enquanto escuta os conteúdos transmitidos rabisque à vontade!


Além dessas técnicas, que são ensinadas mais a fundo no Curso de Memorização do Renato Alves, outras dicas também podem igualmente ajudar os estudantes a memorizarem melhor o que foi estudado, como, por exemplo:

4. Local adequado

Reserve um local adequado para estudar, pois só assim você conseguirá assimilar bem o conteúdo e memorizá-los melhor.

Escolha um local calmo, mais organizado e bem iluminado.

5. Falar em voz alta

Depois que estudar sobre um conteúdo, procure falar sobre ele em voz alta.

A audição da sua própria voz ajuda na memorização.

Com isso, você memoriza com mais facilidade e se lembrará mais rapidamente dos conteúdos quando for preciso.

6. Anotações

Escreva sobre o assunto quantas vezes forem necessárias para que você memorize.

Assim, o conteúdo é impresso na sua mente e você se lembrará dele com muito mais facilidade na hora da prova ou do exame.

7. Organize as anotações

A memória também é visual. Portanto, organize as suas anotações.

Se puder usar cores de canetas diferentes, melhor ainda.

Você criará uma imagem visual do que foi estudado, ajudando na hora de lembrar dos assuntos.

8. Anote o que lembrar

Após estudar, anote (sem olhar em livros e cadernos) tudo aquilo que assimilou.

Faça isso até que consiga anotar tudo o que for preciso de ser memorizado.

Essa técnica pode ajudar muito você a memorizar tudo o que é necessário.

9. Ensine

Que tal ensinar a alguém o que aprendeu?

Essa também é uma boa técnica de memorizar conteúdos, pois na hora de lembrar deles, você se recordará da “aula” que deu.

Se não tiver ninguém para ensinar, faça uma simulação de aula sozinho mesmo.

10. Grave

Você também pode gravar os conteúdos a serem memorizados com a própria voz e depois escutá-los.

Isso ajuda muito no momento em que tiver de lembrar de um assunto, pois você lembrará da sua voz.

Além disso, o conteúdo é fixado melhor na sua mente.

11. Intervalos

Respeite o seu corpo e a sua mente.

Não adianta tentar memorizar algo quando estiver exausto.

Para isso, faça pequenos intervalos durante os estudos, para que sua mente e seu corpo readquira energias e volte a funcionar a todo o vapor para os estudos.

12. Antes de dormir e ao acordar

Estudar nesses horários também é considerado uma das técnicas de memorização que mais funcionam, sabia?

Mesmo que escolha outro momento do dia para os estudos, nesses momentos procure, pelo menos, dar uma lida nos conteúdos.

De acordo com a revista Galileu, nessas horas do dia, o corpo libera substâncias químicas que ajudam a fixar conteúdos.

13. Reflita sobre o que estudou

Durante 15 a 20 minutos procure refletir sobre o que você acabou de estudar.

Essa reflexão ajuda a fazer correlações e questionamentos que ajudarão muito a memorizar o que foi estudado.

É possível memorizar tudo (realmente tudo) que você precisa?

Claro que é possível e, inclusive, se você quer saber mais sobre as técnicas de memorização que te permitirão memorizar tudo o que é preciso para se sair melhor em provas e exames, você pode conhecer o “Guia de Memorização” do Renato Alves.

O material traz técnicas e sugestões imperdíveis para você finalmente passar naquela prova ou naquele exame que tanto sonha.

E aí, o que achou dessas dicas ?

Compartilhe com seus amigos e deixe seu comentário abaixo!

Veja Também:

Até a próxima!

Renan Mazucante

Guia do Estudante